AnáliseMorte: A história de Silent Hill

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

AnáliseMorte: A história de Silent Hill

Mensagem  ShadyMorte em Ter Jun 25, 2013 10:51 pm

Simples... assim que o post sobre megaman estiver com ao menos 1000 views e 100% concluido (ou pelo menos com a saga X finalizada) irei dar continuidade nesse aqui, falando sobre todos os Silent Hill e publicando aqui, minha fiel e pertubadora análise... a questão é que... isso pode demorar...ou não... Sorte que os requisitos nem são tão exigentes assim... é só view... seria ruim se fossem likes... ai o negócio ia ser treta. Enfim.... é isso... ah... eu descobri recentemente que imagens postadas na net influenciam pacas na divulgação de qualquer coisa... fiz um post sobre Rebellions do Rag e o post ta com view pra pora... mesmo n tendo qualquer conteúdo merecedor de atenção... enfim... farei desenhos.... e postarei na big análise de MegaMan... no caso... farei 1 desenho que resuma cada um dos episódios.... espero que fique legal, ao menos assim, além de ajudar na divulgação da matéria, vai também enriquece-la xD.... mas é isso... até 2014.... dia 02/01/2014... prevejo que só iniciarei esse post aqui nesse dia... se eu acertar... os números são: 2 - 5 - 8 - 13 - 19 - 32!
avatar
ShadyMorte

Mensagens : 172
Data de inscrição : 13/01/2010
Idade : 25
Localização : Cadeira Dura Pacas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AnáliseMorte: A história de Silent Hill

Mensagem  D. Criador em Qua Jun 26, 2013 9:16 pm

Essa proxima saga vai ser legal de ler.

Vi por cima a história do silent hill e parece ser bem interessante (e de muita interpretação).

E sobre as fotos, concordo, fotos fazem tudo ter mais visualizações, se conseguir "colorir" o texto do mega men nao deve demorar a chegar nos 1k de leitores.

_________________
DEMACIAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
Rolling Eyes
avatar
D. Criador

Mensagens : 1285
Data de inscrição : 08/01/2010
Idade : 98
Localização : São Paulo/sp

Ver perfil do usuário http://www.youtube.com/user/BakaNubiJogos/videos

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AnáliseMorte: A história de Silent Hill

Mensagem  Edward/Kira em Qua Jun 26, 2013 11:15 pm

Esse jogo é do CAPETA! Me arrependi muito de ter jogado ele.
avatar
Edward/Kira
Admin

Mensagens : 547
Data de inscrição : 15/11/2009
Idade : 26

Ver perfil do usuário http://solidariuscaelestis.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AnáliseMorte: A história de Silent Hill

Mensagem  ShadyMorte em Qui Jun 27, 2013 10:04 pm

Bem... admito que estou ansioso por escrever a análise sobre Silent Hill... falar de Harry, James, Heather, Hanry, Alex, Cheryl e Murphy... tenho tudo aqui na cachola mas... pra fazer um bom trabalho farei exatamente igual o que fiz com megaman, jogarei tudo de novo, mas com atenção pros detalhes... com caderninho e talz... vai ser irado...
avatar
ShadyMorte

Mensagens : 172
Data de inscrição : 13/01/2010
Idade : 25
Localização : Cadeira Dura Pacas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AnáliseMorte: A história de Silent Hill

Mensagem  ShadyMorte em Sex Jun 28, 2013 1:48 am

Gente, olha o que eu consegui achar: http://brasilstationbr.com/2010/02/08/a-historia-de-silent-hill-shattered-memories/

Vejam em comentários... e reparem no belíssimo material de leitura... num da pra ter uma ideia de como esse post aqui ficará?!?
avatar
ShadyMorte

Mensagens : 172
Data de inscrição : 13/01/2010
Idade : 25
Localização : Cadeira Dura Pacas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Imploração

Mensagem  ShadyMorte em Sab Jul 13, 2013 5:56 pm

E ai caras, ninguém vai cobrar a análise de Silent Hill? Por favor, alguém diga algo! Eu quero postar algo mas sem cobrança eu não engajo... (bizarro... eu não quero seguir profissões relacionadas aos meus gostos por medo de ser cobrado e acabar perdendo esses gostos... mas no final... eu só faço o que gosto quando sou cobrado... eta) Então, bora poxa, alguém... por favor...
avatar
ShadyMorte

Mensagens : 172
Data de inscrição : 13/01/2010
Idade : 25
Localização : Cadeira Dura Pacas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AnáliseMorte: A história de Silent Hill

Mensagem  D. Criador em Dom Jul 14, 2013 12:38 pm

Wow,

A palavra shady foi escrita 125 vezes nos comentários.

Se isso ai é só comentário a versão completa com certeza dará um livro de umas 500 páginas xD

Quando fizer faça com fotos! me gusta fotos.

_________________
DEMACIAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
Rolling Eyes
avatar
D. Criador

Mensagens : 1285
Data de inscrição : 08/01/2010
Idade : 98
Localização : São Paulo/sp

Ver perfil do usuário http://www.youtube.com/user/BakaNubiJogos/videos

Voltar ao Topo Ir em baixo

Rascunho pro DivulganteMorte

Mensagem  ShadyMorte em Sex Set 20, 2013 6:21 pm

Éééééé... comecei a escrever hoje... ainda n editei, e nem comecei a por imagens... também ainda nem terminei de digitar... falta muuuuuuito... mas vou deixar o rascunho aqui. Lembrando que postarei o material finalizado, organizado, editado, com imagens e corrigido no meu blog, DilvulganteMorte. Por favor, só leia se quiser, eu vou postar completinho e bonitinho la, e vai ficar muito melhor que o rascunho, pode acreditar. Mas, aqui vai:

Spoiler:
(...)blablabla trama principal, apresentada em Silent Hill 1.

Bem, já falei bastante coisa, agora, vou contar a história desse magnífico jogo.

O jogo começa com Harry Manson, um rapaz que viajava junto com sua filha para a Instância Turística de Silent Hill. Ele acaba sofrendo um acidente e bate o carro próximo a Silent Hill, ficando desacordado. Quando acorda, Harry percebe imediatamente que sua filha não está no carro, e preocupado, sai para procura-la. Ele se vê em um local neblinado e descobre estar dentro de Silent Hill. Ao chamar por sua filha, Cheryl, ele não encontra qualquer vestígio dela próximo ao acidente, mas, ele enxerga a silhueta de uma menina correndo em meio a neblina. Harry a segue até um beco, la, ele encontra muito sangue, e coisas estranhas e no final, um corpo pendurado numa cerca, todo esquartejado. Harry se assusta e um forte som de sirenes toma conta do local, tudo escurece e estranhas criaturas surgem das sombras, com facas, e atacam Harry. Harry desmaia e em seguida, acorda dentro de um bar. Junto com ele estava uma policial, que se identifica como Cybil. Eles conversam um pouco e ela diz que tem estranhas criaturas na cidade e as coisas estão estranhas de mais por la, e pede para que Harry não saia. Porém ele diz que está procurando sua filha, mostra uma foto à Cybil, que não a reconhece, porém ela promete que tentará ajudar, e ainda diz que entende Harry. Ela então da sua arma de fogo para Harry e diz para ele usa-la somente caso necessário. Ela sai do bar e Harry vasculha o local. Ele encontra uma faca, um rádio e alguns documentos, e logo em seguida um barulho estrondoso o assusta, ele olha pra trás e uma janela explode e um monstro voador aparece. Harry se defende e derruba a estranha criatura, e ao olhar de perto percebe que ela parece um Pterodáctilo. Assustado, Harry sai pela cidade e decide ir para o local onde ele havia seguido àquela que parecia sua filha, para ver se encontra algum vestígio dela. No caminho, ele é atacado e perseguido por vários monstros semelhantes àquele que ele derrubou no bar, e também se depara com cachorros sem pele que também o atacam. Harry consegue chegar ao beco, e la encontra um desenho, que parece com os desenhos de sua filha, e uma carta indicando para ele ir até a escola local. Ele então vai até a escola, mas no caminho encontra vários enigmas confusos que barram sua passagem, vários documentos, monstros, além de, ao explorar a cidade, encontrar várias ruas e aveninas completamente bloqueadas por penhascos sem fundo. Tudo vira um pesadelo para ele, que atormentado só consegue se preocupar ainda mais com sua filha. Harry chega à escola, e la descobre várias pistas sobre sua filha, como também encontra vários artigos mencionando a cidade em que ele se encontra, e algumas explicações para todo aquele pesadelo. Ele também é atacado várias vezes pelos mesmos seres que o atacaram no beco, porém ele consegue escapar deles e continuar buscando por sua filha...

Lembrando, eu não terminei e só vou postar depois que terminar 100%, com imagens e tudo mais. Então, esse rascunho ai é só pra registro que eu comecei já. Eu escrevi isso ai hoje, e deu uma cansada... eu depois termino o rascunho e já coloco todas as imagens. Talvez eu termine isso amanhã ou no máximo domingo. Enfim... é isso!

Sobre essa parte em que eu conto a historinha do jogo. Eu fiz esse tipo de coisa nas analises de MegaMan. Eu sempre escrevo tudo amontoadinho nessa parte e na hora de por imagens, pego meu próprio gameplay e vou postando, ilustrando cada passagem. O corpo textual é enorme, mas com as imagens, fica não apenas mais facil e rápido ler, como também fica muito mais atrativo. Isso eu tenho certeza, eu mesmo sinto vontade de ler quando fica com fotinhas mas da uma preguiça quando só ta esse texto bruto. Em todo caso, eu não sei se realmente coloco essa parte do gameplay e talz... eu pensei aqui... talvez se eu apenas resumir bem o jogo e por só o resumo, e depois citar cada um dos personagens, um a um, fique um pouco melhor pra ler, além de não prejudicar o gameplay e talz. O que acham? Continuo dessa forma e talz, ou mudo? Ao invés de contar a história do jogo, eu cite cada um dos personagens, ponha a imagem deles, e em seguida explico cada um? Eu também posso fazer ambos, por que não?! Mas e ai?

(EDITADO) Eu terminei de digitar, já decidi como contar a história e tudo mais, e ficou bem melhor, agora to colocando as imagens... bem... o texto bruto ta aqui:

Spoiler:
Com muita ansiedade e empolgação, começo essa análise, sobre um dos jogos mais perturbadores que já tive o prazer de jogar.

Silent Hill é um jogo de Survival Horror, feito em 1999 pela Konami e distribuído para PlayStation. Ele se destacou por levar a sério seu gênero, e não apenas trouxe sustos e um clima de terror, como também oferecia uma história que até os dias atuais ainda é perturbadora o suficiente pra deixar pessoas por horas se perguntando "Por quê?".

Além disso, o jogo envolve um acumulo de coisas estranhas e sem muito sentido, espalhadas pra todo lado, muitas coisas, que levantam dúvidas na mente do jogador e causam o maravilhoso terror psicológico. É possível encontrar seres desfigurados, sem explicação ou significado aparente, além de achar corpos mutilados por toda parte, sangue, sons assustadores, desenhos medonhos, objetos bizarros, mensagens aterrorizantes, mais sangue, e por ai vai.

O jogador tem um objetivo inicial simples e o mesmo é constantemente desviado, seja para a sobrevivência do personagem, seja por motivos incompreensíveis, o fato é que você acaba conhecendo de mais Silent Hill, chegando ao ponto de se ver totalmente envolvido pela trama, ou simplesmente confuso com o que viu. Isso torna o jogo um grande enigma, que para ser entendido necessita de uma interpretação profunda, sobre tudo que o envolve, antes, durante e depois dele.

Na verdade Silent Hill é uma enorme obra de arte do mundo dos games. Ele deu origem a trama mais psicologicamente perturbadora dos dias atuais, e também intitula uma série polêmica que abusa do terror psicológico, de sons confusos, imagens bizarras e tudo mais que possibilite a tortura da mente de quem joga.

É... eu to aqui introduzindo o game e tudo mais, mas não to indo direto ao ponto. A verdade é que nem sei por onde começar. Esse jogo levanta tantas dúvidas diferentes e é razão de tanto debate, não apenas por ele mas por suas sequências também, que acaba me deixando perdido, sem ideia de como e por onde começar, simples assim.

Então vejamos... antes de tudo, irei dizer como conheci Silent Hill, em seguida falarei o que me levou a ser tão fanático pela trama, contarei como descobri e o que descobri, revelarei minhas descobertas, explicarei as mesmas, direi tudo o que consegui interpretar e como cheguei à tais interpretações. Lembrando que de inicio usarei apenas meu conhecimento pessoal, irei falar com minhas palavras, e em seguida, mais pra frente, irei pesquisar a fundo, com o objetivo de juntar absolutamente o máximo de conteúdo útil e real sobre Silent Hill.

Ah... também já deixo claro que nesse post, nessa análise, irei falar ou tentar falar apenas de Silent Hill 1, o primeiro jogo, e tudo que o envolve. Mas não garanto nada... afinal é muito difícil pra mim, me limitar a apenas um desses maravilhosos jogos.

Eu amo Silent Hill e sua saga, e tenho orgulho em dizer que sei o suficiente para render debates sobre esse assunto, mas tentarei não pular pros demais jogos, que também são muito interessantes e perturbadores. Aproveitando esse aviso, também deixo claro que todo o conteúdo aqui presente pode e com certeza terá um número absurdo de spoilers, informações e curiosidades. Então, por favor, se não quer conhecer a fundo essa aterrorizante trama, nem continue sua leitura. Boa leitura!

Minha infância foi nintendista. Meu primeiro video game foi o Super Nintendo, que eu usei a estratégia infantil mais manjada de todos os tempos para obter: Eu passei mal. Na época, pra conseguir jogos ou eu tinha de procurar feito retardado pra comprar (na real eu choramingava feito louco para que meus pais conseguissem os jogos) ou simplesmente trocava com amigos. O Snes era bem modinha e não era tão difícil achar pessoas com jogos diferentes para compartilhar, só era difícil achar gente confiável pra isso. Lembro que várias vezes eu emprestava jogos em troca de outros e os que eu pegava não funcionavam de forma alguma, e de quebra, tinha gente que simplesmente desaparecia e eu perdia meus jogos para sempre.

De toda forma, nessa mesma época, onde eu ainda não tinha contato algum com a internet, eu particularmente não conhecia nenhum outro videogame. Somente o Super Nintendo mesmo. Não sabia praticamente nada sobre outros jogos e tudo o que eu sabia era, ou contado pelos meus pais, ou visto na televisão, ou contado por amigos da rua ou escola. Um desses amigos me apresentou ao mundo das revistas, e foi por uma delas que tive minha primeira experiência com Silent Hill.

Enquanto lia sobre os diferentes jogos, não apenas do snes como de outros consoles que eu nem sabia que existiam, eu vi uma matéria sobre um jogo de terror. Até então, o único jogo que tinha algum tipo de terror ou violência que eu já tinha visto na vida era Doom Troopers, que eu lembro ter achado bizarro e assustador de mais, principalmente pelos corpos esquartejados que mesmo depois de "mortos" ainda atiravam.

A Nintendo nunca foi de apostar em jogos violentos ou perturbadores, era mais comum encontrar coisas fofinhas e para a família do que coisas violentas, e Doom Troopers rendeu um belo de um susto nos meus pais quando viram o alto teor de violência explícita no mesmo. (pra você ver como era aquela época...) Hoje a gente encontra violência em tudo, até na TV Cultura. Alias, até na Cartoon Network, que é caracterizada pelo alto nível de censura. Poxa... eles chegaram a tirar a cena em que a Buma atira no Goku no primeiro filme de Dragon Ball, só pela violência, mas hoje em dia, com os novos títulos da emissora, como Apenas um Show, cenas como essa: (imagem) são comuns de se ver e até engraçadas... os dias atuais tão beeem diferentes.

Enfim, eu vi uma matéria sobre Silent Hill e achei incrível. Tinham fotos e todo uma história confusa que me custou a entender, porém eu nunca tirei isso da cabeça. Dai, um dia, ainda criança, eu pedi pra minha mãe comprar uma fita de Silent Hill. (eu era inocente, dê um desconto) Pior que minha mãe foi atrás e demorou anos, mas ela nunca esqueceu e um dia, ela de fato conseguiu a fita de Silent Hill! Claro, ela não conseguiu a fita de jogo, mas sim, a fita de vídeo.

Pra quem não sabe, até o final do século XX e inicio do século XXI, as pessoas assistiam filmes em suas casas através de um aparelho medieval chamado "Vídeo Cassete". Nele, uma mídia chamada "Fita de Vídeo" ou "V.H.S" era usada e necessária para que os filmes fossem vistos. Era possível obter essas fitas comprando ou alugando em um antigo e praticamente extinto estabelecimento comercial chamado "Vídeo Locadora". Também era por este mesmo meio que podia-se obter Cartuchos/Fitas de videogame, DVDs e afins.

Sim... o filme de Silent Hill (Terror em Silent Hill) foi lançado em 2006, e sim, eu ainda não tinha um conhecimento avançado sobre os videos games. Eu já tinha um PC, mas eu ainda usava internet discada e estava engatinhando no uso da internet. No dia que minha mãe chegou em casa com uma fita de video de Silent Hill, eu não acreditei. Eu nem lembrava mais do meu pedido a ela, já tava na adolescência e meus maiores interesses eram outros (se é que você me entende). Porém, é claro, eu fui todo animado pra assistir o filme. Até então eu já tinha lido vários artigos e revistas diferentes que mencionavam Silent Hill, seus diferentes jogos e talz, e como eu não tinha muita experiencia com jogos, meu maior conhecimento sobre os games fora da Nintendo era só por esses artigos mesmo. Ao assistir o filme eu já sabia que seria algo no mínimo perturbador, porém eu não esperava tanto.

Após assistir, tanto eu quanto minha mãe ficamos confusos. Principalmente com o final, que não deixa claro absolutamente nada. Dai nasceu o amor pelo terror no coração da minha mamãe e no meu, e claro, nasceu nosso amor por Silent Hill.

Pra quem não sabe, Terror em Silent Hill é um filme baseado no sucesso do mundo dos games "Silent Hill". O Filme conta uma releitura e reinterpretação do primeiro jogo da série, com elementos do segundo jogo da série. Há algumas variantes, como por exemplo a troca do sexo do protagonista, que deixa de ser um Pai Desesperado e Hominho pra se tornar uma Mãe Desesperada e Mulherzinha. O diretor do filme menciona em comentários e cenas especiais adicionadas ao filme, como extra, que sua decisão em mudar o sexo do protagonista se deve ao desejo descontrolado do mesmo em achar sua filha. Ele diz que esse desejo tem mais cara de sentimento materno do que paterno e que pra ele, o protagonista tinha mais jeito de mãe do que pai.

Pois é... depois de assistir o filme e ver esse comentário do diretor, entre outras polêmicas mencionadas no próprio filme, eu me vi obrigado e buscar por respostas. Minha mãe ficou perturbada e, por não entender bem o final, exatamente como eu também não tinha entendido, mesmo após revirar o vídeo, vendo e revendo seus extras e assistindo o filme mais duas vezes, ela me pediu pra tentar descobrir o que aconteceu exatamente e posteriormente, explica-la. Não deu outra, eu fui atras de respostas.

Procurando por respostas, ainda usando net discada, eu encontrei vários textos, vídeos e artigos sobre Silent Hill, muita cosia referente ao universo de Silent Hill e as ligações entre o Filme e os jogos e tudo mais. Ainda assim, de todo material que eu havia encontrado, pouca coisa respondia minhas maiores duvidas. Foi ai que descobri que, Silent Hill precisava de uma interpretação original e pessoal. Eu mesmo deveria jogar e descobrir, por conta própria, aquilo que eu queria descobrir, para responder as minhas dúvidas e posteriormente as da minha mãe.

Nessa época eu já estava infectado com o péssimo hábito de fazer downloads de jogos "compartilhados". Eu não pegava jogos grandes ou pesados, apenas leves, em sua maioria roms para emuladores e coisas do tipo. Porém, eu fui atrás do jogo de Silent Hill. Eu ainda não sabia o quão grandioso era o universo de Silent Hill, e ainda inocente, não fiz uma pesquisa tão grande sobre qual jogo pegar. Então, peguei o primeiro que achei, "Silent Hill 4 - The Room".

É, pra piorar tudo, o jogo que peguei foi o até então mais... inovador... da saga. Silent Hill 4 foi lançado em 2004, para X-Box, PS2 e PC, e é um pouco diferente dos demais, por usar uma jogabilidade nova e incomum para a saga até então, e também, possuir elementos bem diferentes dos até então usados nos jogos de Silent Hill. A História também, em seu começo, não se passa em Silent Hill, logo, é óbvio que ele não me traria as respostas que eu queria sobre o filme.

Apesar de tudo, a experiencia que obtive em Silent Hill 4 foi satisfatória e confusa, suficiente pra salientar ainda mais minha paixão por Silent Hill. O jogo apresentou uma história tão diferente e ao mesmo tempo tão parecida, com elementos tão semelhantes e atrativos que, só me fez ver e finalmente perceber o quão imenso é o universo de Silent Hill.

E foi então que eu nasci... hehehe... zoera... eu sei que to contando a história da minha vida aqui, mas na verdade é só uma de muitas, e acredito que essa informação servirá para expor meus créditos e méritos. Sei que é chato, você deve estar enjoado de ler tanta baboseira sobre minha vida, mas por favor, tenha paciência, já to chegando na parte legal!

Foi então que comecei minhas pesquisas profundas sobre Silent Hill. Não digo apenas as coisas supérfluas (cara, acredita que é "supérflua" que se escreve e não "supérfula", analfabetismo a parte, eu me surpreendi com essa descoberta!) como olhar na wikipédia (Jamais acredite em tudo da wikipédia! Porém tem muita informação legal la...) ou em blogs e fóruns gamers que se julgam conhecedores da verdade. Eu cheguei a acidentalmente acessar o que seria a camada mais próxima da Deep Web, pegando vírus pra caramba porém, descobrindo coisas bem interessantes também.

Enfim, eu achei conteúdo suficiente pra responder minhas perguntas. E posteriormente responder as perguntas que nasceram das respostas obtidas. E em seguida, responder as novas perguntas que surgiram das respostas que responderam as perguntas que... eu me perdi... lag no cérebro. Enfim, eu aprendi coisa pra caramba.

Foi então que comecei a jogar Silent Hill. Jogar da forma certa! Interpretar e analisar não apenas Silent Hill como também vários outros jogos, não apenas do gênero terror/horror, mas de todos os gêneros. Eu aprendi que todo jogo, filme, livro ou trabalho feito por outras pessoas possui uma razão e um significado profundo, mais profundo do que aparenta, e que nem todos conseguem ver, conhecer ou entender. Tudo tem um significado oculto, tudo tem segredos que, ao serem revelados, te farão compreender e sentir exatamente o que o autor e criador desse produto sentiu.

Eu joguei todos os Silent Hills existentes, e curiosamente, o último que joguei foi o primeiro. Eu só joguei Silent Hill 1, o mesmo do qual irei falar agora, após jogar todos os demais Silent Hills existentes até hoje. O porquê disso? Eu não sei, foi puro acaso. Só sei que graças a isso, meus olhos estavam preparados e abertos o suficiente para me fazer interpretar a fundo, o que é Silent Hill.

                                                                     Silent Hill 1

Silent Hill é o nome de uma cidade enorme, e centro turístico, não apenas por seus encantos mas também por suas bizarrices.

Silent Hill possui várias formas, e é baseada em várias cidades fantasmas diferentes, do mundo real.

Silent Hill na verdade toma a forma mais assustadora para suas vítimas, que acredite, são muitas. Ou apenas agrada aos olhos de seus visitantes, que não estão afetados pela cultura local.

Ela foi fundada por um grupo de religiosos fanáticos auto intitulados "A Ordem", que confundiram uma antiga crença e endeusaram um antigo demônio chamado Samael por engano, acreditando que o mesmo era um Anjo/Deus, sendo que o mesmo era o Demônio da Ressurreição.

Acreditando estar servindo um deus para a prosperidade da cidade e da organização, esses religiosos não exitaram em recriar os mais variados rituais satânicos, que para eles, eram justificados e acreditados como sendo rituais bíblicos e para o bem de todos, por mais violentos que fossem.

Sacrifícios são uma atividade comum entre religiosos, seja de tempo, desejos, objetos, valores ou até mesmo vida, esta sendo humana ou animal. Não importa a religião, todos fazem algum tipo de sacrifício, e A Ordem também o fazia. Normalmente, esses sacrifícios são justificados pela própria crença, sendo feitos por um bem maior, porém, dependendo da cultura, isso varia de tal forma que, para uns, beira a insanidade enquanto pra outros, é algo lindo de se ver.

Cada um enxerga esses rituais da sua forma, quem participa por livre e espontânea vontade ou obrigação cultural, não enxerga maldade, não importa o quão absurdo ou imoral possa parecer. Pessoas que participam de forma forçada, acabam vendo o lado ruim dos mesmos, se assustando e sofrendo da pior forma possível, afinal, elas estão sendo forçadas a fazer algo que não entendem ou conhecem.

Quem já ouviu falar do sacrifício de Moisés? Onde Deus o pede para oferecer a vida se seu próprio filho, como um mero cordeiro, para provar sua fé.

Isso, para uns é visto como uma prova de fé e admirado por isso. Já para outros, é visto como algo repulsivo e como prova de pura alienação e loucura religiosa.

Não importa a verdade, o fato é que isso é comum, e cada um enxerga aquilo conforme suas crenças.

Pessoas sem crença, enxergam a maldade, pessoas com crença, enxergam a pureza.

A Ordem segue suas crenças de forma respeitosa, o que pra uns pode ser considerado cegueira pura.

Por conta dos erros culturais, a Ordem acaba dando vida a uma maldição. Na verdade, a uma série de maldições, invocadas em seus diferentes rituais, em diferentes partes de Silent Hill e até mesmo, fora de Silent Hill. Onde os rituais fossem feitos e seguidos a risca, suas consequências seriam aplicadas.

Silent Hill, por ser uma cidade Turística, acaba recebendo um público enorme. Destes, muitos acabam sendo vítimas de forma direta ou indireta dos rituais culturais da cidade.

As histórias que se passam nos jogos de Silent Hill, não se resumem a Silent Hill, mas sim, às maldições nascidas por causa de Silent Hill. Logo, é comum que suas histórias ocorram tanto na cidade quanto fora, ou seja, uma vez preso na maldição de Silent Hill, sua vítima está condenada, não importa onde esteja.

Em Silent Hill 1, conhecemos e acompanhamos a maldição da familia Mason, que infelizmente acaba sendo perseguida pela cidade por conta de suas atitudes referentes aos cultos realizados na mesma.

O clima em Silent Hill 1 é neblinado, com uma visão limitadíssima que se perde em meio à grossa neblina.

Também há escuridão pura em determinados momentos, logo, as coisas sempre são bem difíceis de se enxergar e o medo do que se esconde por trás da escuridão domina a alma de Mason.

Por incrível que pareça, esse quesito que marcou de mais o jogo, foi explicado como uma manobra dos desenvolvedores do jogo, para aproveitar ao máximo a capacidade do Play Station, sem prejudicar o gráfico do mesmo, logo, a neblina e escuridão era uma estratégia para esconder as falhas do console e ainda incrementar ainda mais o lado terror do jogo.

Pois bem, isso pode até ser verdade, mas não é tudo. O clima foi baseado em um livro de suspense lido e admirado pelo criador de Silent Hill. Apesar da ideia manjada de por a neblina pra esconder o limite visual do game, essa mesma não nasceu com esse objetivo. Na verdade a neblina e escuridão faria parte do jogo de qualquer maneira, pois esta era uma das coisas que o diretor acreditava perturbadora e assustadora de mais, e se somaria de forma completa ao terror do jogo. Eu não me lembro o nome do livro, nem onde eu vi essa informação, depois tentarei pesquisar pra lembrar, mas até então, deixo esse aviso como desculpas caso eu não consiga achar o livro ou a fonte dessa informação.

A história do primeiro jogo é cronologicamente o segundo capítulo da trama principal e também, da saga. Silent Hill, apesar de ser uma série de jogos interligados, não é composta apenas de 1 única trama. Tudo se ramifica, dando origem a várias outras tramas, umas conectadas diretamente umas com as outras e algumas posicionadas cronologicamente de forma totalmente oposta a outras.

No caso, a trama principal, a do primeiro jogo, é respeitosamente continuada e explicada em vários outros jogos da franquia, porém, nem todos tem ligação direta com ele, mencionando apenas ou apresentando breves elementos do mesmo.

Exemplo disso é o segundo jogo, Silent Hill 2, que apresenta uma trama totalmente alternativa a do primeiro jogo, mostrando apenas algumas referencias ao mesmo.

Na cronologia, Silent Hill 1 ocorre como consequência do eventos de Silent Hill 0 - Origins, que é tecnicamente o 5° jogo da saga. Em seguida, encontra-se Silent Hill 3, que parte dos eventos em Silent Hill 1, e por último, vem Silent Hill Shattered Memories, tecnicamente o 6° jogo da saga, que conta o que seria o encerramento da trama "Mason". Sobre Silent Hill Shattered Memories... deixa queto, eu explico na análise sobre ele. Mas de qualquer forma, essa é a cronologia EXATA da trama principal, apresentada em Silent Hill 1.

                                                                         Personagens

Em Silent Hill 1 vivemos o papel de Harry Mason, porém além dele há vários outros personagens, inimigos ou não, que interagem com ele durante todo o jogo. Irei falar deles, o que eles são, quem são, porque são, e por ai vai.

Harry Mason

Harry é o pai adotivo de Cheryl. Ele é um pai dedicado e viúvo, e vive junto com sua filha. Durante o jogo, Harry sofre um acidente em uma viagem para a cidade turística de Silent Hill, junto com sua filha. Ele perde o controle do carro e fica desacordado, e quando acorda, vê que sua filha sumiu e a partir de então ele passa a procurar desesperadamente por ela. Durante sua busca ele conhece o lado mais obscuro da adorável Silent Hill, e seu desespero aumenta conforme ele desvenda os segredos da cidade e a real razão por ele e sua filha estarem la. Harry na verdade encontrou Cheryl ainda bebe, na estrada que leva para Silent Hill. Ele e sua esposa a adotaram e depois de um tempo, sua esposa faleceu. Ele então assumiu tanto paternidade quanto maternidade, mas para seu azar a menininha que eles haviam resgatado da estrada estava atrelada a uma das maldições de Silent Hill. Por causa disso, ele ficou amaldiçoado também, e vinculado com a menina e todas as consequências de seus atos, por mais inocentes que fossem. Harry estava fadado a sofrer, por ter interferido em um dos rituais de Silent Hill. Harry vai atrás de sua filha, e se depara com um verdadeiro pesadelo vivo. Ele encontra monstros, corpos, vivos, mortos, semi mortos, gente possuída e por ai vai. Conforme ele avança, descobre que a cidade espelha os maiores medos de sua filha, juntamente com os maiores medos de Alessa. Ele chega a conhecer Alessa, porém não entende de inicio quem ou o que é ela. Para entender, ele acaba se envolvendo de forma profunda na história de Alessa, de Silent Hill, da Ordem e de sua própria filha. Ele descobre os segredos de todos, e acaba participando de forma direta no ritual, tentando salvar sua filha, sendo usado e manipulado tanto por Dhalia quanto por Alessa, para por um fim de vez no ritual. Harry se encontra em um dilema ao não saber em quem confiar. Ele estava pouco se lixando pro pacto dos fanáticos nativos da cidade ou qualquer coisa relacionada a isso. Ele só queria salvar sua filha, porém acaba por fim descobrindo que sua filha é fruto de um desses pactos e querendo ou não, ele deveria intervir no mesmo se quisesse mesmo tentar salvar sua filha. Sem saber em quem confiar, Harry da ouvidos a todos que encontra, sejam quem quer que sejam, e aceita os termos de todos, tudo para atingir seu propósito de encontrar sua filha. Por conta disso, ele acaba por várias vezes desfazendo o que ele mesmo fez, ou coisa do tipo, principalmente pelo fato das duas principais pessoas que o estavam guiando pela cidade estarem lutando por causas opostas, Dhalia e Alessa. Harry consegue chegar até sua filha porém, o ritual é finalizado e sua filha é usada como receptáculo de Samael. Mas ele então luta para tirar Samael de sua filha, impedindo sua ressurreição e depois de muito esforço ele consegue derrotar Samael e impedir que ele volte ao mundo. Entretanto Cheryl acaba sendo "apagada" no processo, afinal ela era o corpo de Samael, e como Harry destruiu Samael, ele acabou destruindo o corpo de sua própria filha. Apesar disso, Alessa sente pena de Harry e da sua vida para gerar uma nova criança, um bebê para Harry. Harry escapa, junto com Cybil e sua nova filha, e vai embora de Silent Hill.

Cheryl Mason

Cheryl é uma menina inocente de 5 anos de idade. Ela acaba se perdendo em Silent Hill após o acidente sofrido juntamente com seu pai, ao entrarem na cidade. Cheryl, apesar de jovem e inocente, nasceu condenada. Ela é o resultado de um pacto não finalizado. Durante um dos rituais da Ordem, a mãe biológica dela, Alessa Gillespie, acabou não terminado sua parte no ritual e por fim, salvou a vida de sua recém nascida filha. Entretanto, com o interrompimento do ritual, tanto ela quanto sua filha, e todos os envolvidos no falho processo, estariam a partir de então condenados e seriam julgados e punidos pelo descumprimento do pacto. Mesmo Alessa conseguindo tirar Cheryl da cidade e a entregando para um jovem casal (Harry e sua esposa), Cheryl seria futuramente, de alguma forma, atraída de volta para a cidade para então, finalmente,  receber sua pena. Após voltar a cidade, os participantes do antigo pacto remanescentes viram aí a oportunidade de concertar seus erros e por um fim na punição. Enquanto a Ordem tentava por as mãos em Cheryl para finalizar o ritual, Alessa tentava impedir ou atrasar os mesmos, de todas as formas possíveis. Paralelo a isso, Harry tentava encontrar Cheryl e a cidade em si tentava impedi-lo, para que ele também não intervisse no ritual, de novo. Em meio a tudo isso, a pobre Cheryl apenas tentava escapar, sem nem entender ou saber de quem ou porquê. Ela infelizmente é sacrificada no final, para trazer Samael de volta, mas no processo seu pai impede que Samael ressurja e no lugar dele, uma nova criança nasce, essa se tornando a "reencarnação" ou filha de Cheryl.

Alessa Gillespie

Alessa  é uma mulher com 99% do corpo semi carbonizado. Ela foi hospitalizada e ainda sobrevive, entretanto seu estado é de constante sofrimento e dor agonizante. Ela foi queimada propositalmente e voluntariamente, como parte de um dos rituais da Ordem. Sua própria mãe, Dhalia Gillespie, foi quem idealizou e dirigiu o ritual, sob alegação de bem maior. Detalhe que Alessa foi queimada ainda criança e grávida, e tudo fazia parte de um ritual de renascimento, para trazer Samael de volta ao mundo. No caso, o processo deveria ser inverso ao de uma gestação comum, onde Alessa, ao invés de ser cuidada deveria ser torturada, para que a criança de Samael nascesse com perfeição, afinal a gestante deveria sofrer ao máximo possível para que ele possuísse o bebe, e foi isso o que fizeram à Alessa. Ela também precisava ser pura, e Alessa foi a escolhida pelo fato de ser uma das crianças da Ordem, e além de ser pura, já tinha sido educada e treinada durante toda sua breve vida, para servir aos desejos do culto. Ela aceitou o ritual sem reclusão alguma, e só percebeu o real mal por trás dele nos momentos finais do mesmo. Alessa sobreviveu ao ritual, e seu bebê também, e como não o concluiu da forma devida, sua criança nascera ainda humana, e não como ressurreição de Samael. Alessa então entregou seu bebê ao primeiro casal fora da jurisdição de Silent Hill, e em seguida foi capturada. A criança de Alessa era Cheryl e foi entregue a família Mason. Alessa apenas queria salvar sua filha, mas infelizmente acabou envolvendo os Mason, que um dia, cedo ou tarde, pagariam junto aos demais participantes que não honraram o ritual. Quando Alessa descobre que sua filha havia retornado à Silent Hill, ela tenta de alguma forma impedir que o ritual seja concluído. Ela busca, através de um Selo chamado Metatron, bloquear o ritual para por um fim nesse caos. Infelizmente ela acaba indiretamente dando ainda mais poder ao ritual, e com a interferência de outras pessoas, tudo termina de forma trágica e Samael quase retorna.

Dhalia Gillespie

Dhalia, mãe de Alessa, é uma crente totalmente fiel e seguidora da crença pagã de Silent Hill. Ela é indiscutivelmente tão fiel, que coloca a vida de sua própria filha em risco para que seu anjo, Samael, ressurja no mundo e traga a paz e salvação com ele. Dhalia tem como ajudantes e parceiros ritualistas um médico, chamado Dr Kalfman, e sua enfermeira Lisa, dentre vários outros membros de seu culto que apoiavam totalmente seu objetivo. Dhalia pretendia usar sua filha para gerar uma criança onde Samael poderia reencarnar, um tipo de cristo, e para isso ela educou sua filha para que ela aceitasse e acreditasse que trazer Samael ao mundo, por mais sofrido que fosse, seria espiritualmente compensador, e isso faria com que o mundo se tornasse um verdadeiro paraíso na terra. Dhalia também acreditava muito nisso, e sua fé atingiu patamares avassaladores, onde ela chegou sacrificar seus bens, incendiando sua própria casa com sua filha num pequeno altar feito por ela, tudo para dar vida ao ritual. Apesar de muito arriscado, fazer tamanha atrocidade era uma parte importantíssima para que Samael renascesse, afinal sua "mãe" deveria ser alguém pura e de muita fé, virgem, e capaz de suportar as maiores dores do mundo, maiores até que a dor do parto, tudo como provação de sua fé e para que Samael acreditasse que o mundo estava pronto para ele surgir e trazer redenção e paz a todos os merecedores da mesma. Infelizmente um descrente, que passava pelo local do incêndio, tirou Alessa do mesmo antes da hora prevista e o ritual foi adiado. Após esse pequeno transtorno, Alessa foi medicada e mantida sob os cuidados de Kaufman e Lisa, que a mantiveram viva até que os preparos para a conclusão do ritual estivessem prontos e o mesmo pudesse ser terminado. Porém, o mesmo rapaz que interrompeu o ritual pela primeira vez, por não entender a importância do mesmo enxergando somente maldade nele, fez de tudo para que Alessa desacreditasse nas muitas promessas que Dhalia lhe havia feito, e como consequência, perdesse sua fé. Mas o processo já estava numa parte avançada de mais e Dhalia jamais permitiria que sua própria filha se convertesse numa descrente e ainda por cima, impedisse o renascimento do salvador. Perto da conclusão do ritual, Alessa acaba desistindo e confiando no estranho, contrariando sua própria mãe. Samael então, decide adiar seu retorno, por conta dos descrentes, o que deixa Dhalia descontente. No lugar de Samael surge um bebê, e nele Dhalia enxerga sua chance de conquistar a confiança de seu anjo novamente, e trazê-lo a vida. Mas Alessa comente mais um ato de descrença e desaparece com sua filha. Dhalia consegue encontrar apenas Alessa, e não descobre o paradeiro do bebê. Anos depois, a criança retorna pra Silent Hill, Dhalia a encontra e recupera sua fé. Apesar de Alessa tentar impedir que ela use sua filha, chamada Cheryl, de ser usada em seu lugar no ritual, Dhalia mantém seu objetivo até o fim, até se contrariada por mais um descrente, e impedida por ele. Apesar de tudo, no final Dhalia novamente não consegue trazer seu salvador ao mundo, por pouco, e se sacrifica por ele, que infelizmente não pôde voltar ao mundo.

Dr Kaufman

Mais um religioso dedicado à Ordem e sua crença. Ele é um médico bem sucedido de Silent Hill. Ele se prontifica a cuidar de Alessa, e inclusive consegue todo uma ala no hospital de Silent Hill, reservada somente para ela. Kaufman, com ajuda de Lisa, não somente mantém Alessa em segurança e viva, como também em segredo, e durante toda sua estadia e moradia no hospital, após o incêndio, Alessa cresce de forma anonima e sob suporte de Kaufman e seu corpo hospitalar. Ele concorda e apoia completamente os ideais de Dhalia, e é graças a ele que Alessa consegue sobreviver por tanto tempo, mesmo estando num estado tão grave. Com o tempo, todos os enfermeiros e médicos do hospital de Silent Hill são infectados e amaldiçoados, devido a proximidade com os condenados do pacto. Kaufman e Lisa não são exceção, porém Kaufman descobre uma cura administrada a partir do sangue de Alessa, para inverter o estado infectado e liberta-lo ao menos dessa parte da maldição. Lisa acaba perdendo seu antídoto, que é encontrado por Harry e usado para curar Cybil, que também foi infectada. Kaufman consegue escapar e sobreviver à maldição até a quase ressurreição de Samael, porém assim que a mesma falha e o local onde o ritual estava sendo feito começa a desmoronar, Lisa ressurge, em estado terminal, e segura Kaufman, fazendo com que ele morra junto à ela.

Lisa Garland

Lisa é uma enfermeira jovem, também seguidora fiel da Ordem. Ela é insegura e até um pouco ingênua, confiando até de mais em Kaufman e Dhalia. Ela era a enfermeira que tinha maior contato com Alessa, e mesmo tendo pena dela e presenciando o sofrimento da menina, Lisa em momento algum tentou ajudar Alessa e interferir no processo do ritual, se limitando apenas a cuidar dela e impedir que ela morresse. Porém ela pensa em ajudar Harry algumas vezes, mas devido sua insegurança, acaba por várias vezes desistindo disso. Apesar de tudo, ela perde seu antídoto, um frasco com o sangue modificado de Alessa, tal qual faria com que ela não se convertesse em mais uma das muitas enfermeiras mutantes que estavam presas na versão amaldiçoada de Silent Hill, e esse mesmo antídoto é encontrado por Harry, que posteriormente consegue salvar a vida de uma de suas recém amigas, a policial Cybil. Lisa é muito obediente e leal a Kaufman, porém se sente traída quando o mesmo recusa dar outra dose do antídoto que ela havia perdido e precisava para não ser convertida em um monstro, e por conta disso, ela se vinga de Kaufman, levando ele pra morte junto com ela.

Cibyl Bennett

Cibyl é uma policial que acaba seguindo o carro de Harry na estrada para Silent Hill, com sua moto. Ela se envolve no acidente de Harry e posteriormente também fica presa em Silent Hill, entretanto, ao explorar a cidade, ela descobre que as coisas em Silent Hill estão muito anormais, principalmente pela presença dos monstro e as diferentes pessoas desesperadas e confusas por toda parte. Contudo, Cibyl segue seu instinto policial e investiga toda a situação de Silent Hill, descobrindo sobre a Ordem e todos os crimes cometidos por eles. Ela também, após conhecer Harry, passa a procurar por Cheryl e anexa ela a sua lista de investigações. Porém ao descobrir de mais, e oferecer um certo risco à Dhalia, Cibyl é infectada e condenada a se converter em um dos monstros amaldiçoados de Silent Hill. Pouco antes de Cibyl se converter ela ataca Harry, mas ele consegue cura-la, lhe oferendo um antídoto encontrado por ele. Harry havia visto Kaufman usar algo muito parecido de forma desesperada para se curar da mesma anomalia, e como ele tinha uma dose disso guardada com ele, decide usar em Cibyl para ver se surte algum resultado. Cibyl ajuda Harry a resgatar sua filha, e após a queda de Samael, ela escapa junto com Harry e o bebê de Silent Hill.

                                                     Personagens Secundários

Mumbler (Crianças Bizarras com Facas)

São pequenos monstros com aparência homicida. Eles são fracos e lentos, porém mortais, e são a forma viva do medo de Alessa por pequenos demônios ou animais dos contos de fadas. Alessa os usa como uma de suas formas de literalmente compartilhar seu medo com aqueles que ela deseja prejudicar, como os demais membros da Ordem e Harry.

Larval Stalker (Fantasminha)

São pequenas silhuetas barulhentas que causam interferência em rádios, como o usado por Harry. Elas são inofensivas, e nasceram com base nas vozes e provocações que Alessa recebia durante sua infância. Elas não causam nenhum dano nem possuem forma física, são como fantasmas que fogem sempre que alguém se aproxima.

Air Sreamer (Pterodátilo)

Um dos monstros que atormentam e perseguem Harry e outros que estão presos na Silent Hill Amaldiçoada. Eles são criados pela mente de Alessa, gerados com base numa ilustração presente em um dos livros favoritos de Alessa "The Lost World" de Conan Doyle. Essa figura causa medo em Alessa, e por conta disso, ela surge para impedir que Harry interfira de alguma forma e também para tentar exterminar os participantes do ritual que sobraram. Essas feras são rápidas e barulhentas, voam e são muito fortes.

Groaner (Cães sem pele)

São cães cobertos de sangue, sem pelo ou pele, que também servem para perseguir e atormentar Harry e os demais amaldiçoados. Eles são a representação do medo de Alessa por cachorros grandes e são gerados pela mente de Alessa e usados como arma contra seus inimigos. Eles são como cães comuns, porém saltam alto e são bem agressivos. Também costumam atacar em grupos e buscam atacar de forma organizada.

Creeper (Baratonas)

São um tipo de barata gigante que rasteja por locais escuros. Elas são a encarnação do nojo de Alessa por insetos. Ela sente repulsa e sua mente os usa para distribuir essa repulsa para as demais pessoas. São rápidos, pequenos (apesar de serem grandes pro tamanho de um inseto comum) e fracos, mas isso não deixa de torna-los irritantes.

Split Head (Lagarto)

Só existe um, foi uma das feras mais poderosas que Harry teve de enfrentar na escola. Ele tem a aparência de um grande Lagarto, baseado no monstro de um dos livros que Alessa lia enquanto estudava na Escola Primária de Silent Hill. O Monstro ganhou vida com base em um dos inimigos de Alessa, um Zelador que trabalhava pra Ordem e monitorava as crianças da Ordem enquanto estavam na escola. Alessa o odiava, e o converteu na horrorosa criatura que antagonizava uma de suas histórias de contos de fada favoritas. Alessa o usou para testar Harry e sua força.

Puppet Nurse (Erfermeiras Corcundas)

São as enfermeiras amaldiçoadas do Hospital de Silent Hill. Elas não estavam sob controle de Alessa, mas foram criadas por causa dela. Elas sofreram uma mutação com base na maldição, onde foram infectadas por um tipo de parasita que as controlavam e convertiam em monstros, sem uma função definida, apenas monstros que caminhavam no hospital, presos para sempre na versão amaldiçoada de Silent Hill. Elas são violentas, porém praticamente cegas, só atacam quando veem movimento ou escutam som, tirando isso, elas apenas caminham de um lado pro outro do hospital, como fantoches sem rumo. Essa parte da maldição causa isso a qualquer um que entre em contato com Alessa no hospital, e este se torna um condenado, sendo inocente ou não. A mente de Alessa passou a considerar todos no hospital como meros fantoches da Ordem, e pra ela tanto faz quem eram, só o fato de existirem já os tornavam maus. Uma vez que eles entravam em contato com ela, sua mente os considerava parte do grupo que a escondia, logo, qualquer um que o fizesse, no hospital, seria imediatamente infectado e transformado nesse monstro. Elas atacam usando bisturis, são lentas pra se movimentar mas muito fortes e resistentes.

Parasitized Doctor (Médicos Corcundas)

São os médicos amaldiçoados do Hospital de Silent Hill. Eles são também funcionários do hospital que entraram em contato com Alessa. São em menor quantidade com relação às enfermeiras, e também mais fortes que elas. São os médicos que foram dar apoio a Kaufman, e por consequência foram infectados com o parasita. Além deles, e das enfermeiras, Kaufman e Lisa também são infectados, porém Kaufman percebe que Dhalia ainda mantinha seu estado normal, e com isso descobre que o sangue de Alessa (também o de Dhalia) é capas de neutralizar o efeito do parasita. Kaufman consegue criar um antídoto às pressas usando um pouco do sangue de Alessa, e consegue impedir sua conversão em um dos monstros do hospital. Entretanto Lisa perde o seu antídoto e Kaufman se recusa a lhe dar mais, o que acaba condenando ambos. Cibyl acaba sendo infectada também, Dhalia provoca o mesmo ao apresentar Cibyl a Alessa, propositalmente. Cibyl porém consegue se salvar usando o antídoto de Lisa, que foi encontrado por Harry.

BloodSucker (Tentáculos Sangrentos)

São tentáculos presos em um dos quartos do hospital. Eles não fazem muito, não conseguem sair do lugar, e são sedentos por sangue. Eles não podem ser mortos, e representam o nojo de Alessa por vermes e coisas gosmentas.

Hanged Scratcher (Insetões)

Monstros na forma de insetos humanoides, são a forma personificada do medo de Alessa por insetos. Eles são fortes, chatos, mas um tanto lentos e fáceis de escapar. Atacam em grupo e resistem o suficiente pra encher o saco. São assustadores, e são bem eficientes no quesito de compartilhar os medos de Alessa.

Twin Feeler (Lagartona)

É literalmente uma Lagarda, criada com base em uma pequena lagarta que estava no quarto de Alessa. Ela é enorme e é posta no caminho de Harry para tentar impedi-lo de prosseguir. Essa Enorme Lagarta é derrotada por Harry e depois retorna como uma Enorme Borboleta, chata pra caramba, que o mesmo enfrenta depois e finalmente acaba com ela.

Float Stinger (Borboletona)

É a metamoforse da Lagarta. Ela só aparece pra morrer pras mãos de Harry. Ela é baseada na borboleta nascida da mesma largata que Alessa tinha no quarto. Essa criatura é apenas a representação do desgosto de Alessa por insetos.

Night Flutter (Pterodátilo Maior)

Um monstro nascido da união do medo de Alessa pela imagem do livro de dinossauros e seu desgosto por insetos. É um Pterodátilo formado por larvas e com uma forma semi humanóide, é assustador e perturbador e além de tudo, é forte. Ele surge somente na forma mais corrompida da Silent Hill Amaldiçoada, que é quando Alessa está em seu momento de maior conflito e acabam nascendo de seu desespero e como forma de impedir qualquer interferência alheia. É um dos momentos mais difíceis do jogo.

Worm Head (Cão Maior)

É uma aberração nascida da união do medo de Alessa pro cachorros grandes e seu nojo por insetos. É um cão, sem pele e revestido de vermes. É muito mais forte e rápido que o cãozinho de sangue, e é mais assustador também. Ele faz parte do grupo de monstros que surge na parte mais corrompida da Silent Hill Amaldiçoada, também gerado pela mente já perturbada de mais de Alessa. Seu medo criou essa figura horripilante.

Romper (Adulto Assassino)

É como se fosse aquele metido a assassino em forma de criança que aparece na escola, crescido. É a forma física do medo e repulsa de Alessa pelos adultos, e ela também só surge quando a Silent Hill Amaldiçoada já ta nas últimas e apelando. Na verdade eles são o maior medo de Alessa, e surgem como última tentativa de sua mente em impedir que qualquer um interfira nos seus reais desejos. Ele é forte, rápido, muito resistente e de longe assustador. Apesar de não ser tão chato quanto os pterodátilos, eles conseguem causar grande temor a Harry e a todos os outros que se colocam no caminho de Alessa.

Incubus (Velho... é Samael essa pora e fim!)

Não se engane pelo nome oficial, ele é Samael. Ao menos sua forma mais fraca, que surge quando ele está perto de ser completamente ressuscitado. Ele é derrotado por Harry e Alessa juntos. Enquanto Harry tenta enfraquece-lo, Alessa se recupera e põem um fim no ritual, impedindo de vez que Samael tome sua forma física final. Com isso, o corpo de Cheryl é queimado juntamente com o de Samael, e Alessa da o resto de si para criar um bebê, com sua própria vida, e entrega este para Harry, que consegue ir embora de Silent Hill junto com Cibyl.

                                                  Os Elementos

Antes de encerrar irei falar sobre as coisas básicas. Explicarei porque tudo que Alessa teme de repente veio a tona.

Alessa é uma das crianças da Ordem.

Essas crianças são literalmente treinadas, criadas dentro da Ordem e para a Ordem. Elas são educadas e forçadas a cultuar as crenças da Ordem, e aprendem a respeita-las e acreditar nelas completamente.

Por serem crianças, são puras, e essa pureza aumenta ainda mais o poder de suas fés e no fim, a Ordem obtém melhores resultados dessa forma.

Todas as crianças da Ordem são obedientes e possuem algum tipo de dom. Nem todas tem exatamente a mesma habilidade, mas basicamente ela é caracterizada por dar vida a sua imaginação.

Eles acreditam no que são criados pra acreditar, e por conta dessa crença tão cega e forte, juntamente com os inúmeros rituais e pactos que a Ordem acumula, essa fé infantil lhes permite dar vida a seus sonhos, e pesadelos. Literalmente.

Como eles são crianças da Ordem, sua educação é composta de tortura, enganação, mentiras, contradições, fé, religião, medo e dor. Logo, seus sonhos e pesadelos são confusos e corrompidos de mais.

A capacidade dessas crianças de modificarem a realidade ao seu redor, conforme seus pensamentos mais profundos, varia conforme essa mesma profundidade. Ou seja, quanto mais crente e determinada essa criança amaldiçoada é, maior sua influencia e controle (ou não) de seu maior poder.

Elas conseguem impor seus medos e compartilhar suas maldições, e dependendo do tamanho desse medo e maldição, as coisas podem tomar dimensões ridiculamente enormes.

A Silent Hill Amaldiçoada, também conhecida como Dark Silent Hill, que é a Silent Hill deformada, escura ou de difícil visualização ou locomoção, repleta de monstros, falhas e etc, é a personificação da mente da criança da Ordem.

Alessa é tão forte, que acaba criando uma cópia enorme de Silent Hill, e prende la todos seus inimigos e amigos, compartilhando com eles todo seu sofrimento.

Além dela, existem várias outras crianças que também se destacaram de alguma forma, e desenvolveram sua capacidade de distorcer a realidade para quem eles querem, mas nem todos conseguiram chegar se quer perto do potencial de Alessa.

Em todos os jogos de Silent Hill, ao menos uma criança da Ordem é presente na trama, ou tem alguma influência na mesma. Por essa razão Silent Hill sempre é tão... confusa.


Bem, agora sim, posso encerrar. Se faltou algo, e eu perceber, farei as devidas correções. Peço para que comente caso tenha gostado, e se tiver alguma dúvida, também o faça que eu farei questão de responder. Eu lamento muito se disse algo que lhe soou confuso, estranho ou estúpido de mais, mas essa é a minha interpretação do primeiro jogo da trama. Acredite, isso não foi quase nada perto do que sei e descobri sobre os outros jogos dessa espantosa franquia, então... se estiver curioso, por favor... aguarde... trarei muito mais em breve.

É... ta enorme... são mais de 7.000 palavras... isso ta ridiculamente enorme... mas é uma das cosias mais completas e bem feitas que já fiz... e é só o primeiro de oito! Curiosamente, meu conhecimento sobre Silent Hill é menor que meu conhecimento sobre os demais Silent Hills... e vejam como ficou! Eu tenho medo de como ficará esse projeto terminado... mas... espero que pelo menos 1 pessoa no mundo goste disso além de mim.

Lembrando, novamente, estou postando imagens, terminarei isso amanhã, e eu não vou pegar qualquer fotinha da net e por ai, só pra ilustrar... não... vou pegar fotos coerentes e imagens perfeitas pra cada passagem do texto. Como em The Path, o conteúdo final dará prazer de ler, posso garantir. Paciência, não leiam o livro que eu postei em "spoiler" se não quiserem... nem abram a guia alias, se não tiverem afim de tomar um puta susto. Mas é isso. No blog, postarei algo lindo e bem feito. Agora porque? Pra que postar algo enorme como isso? Simples... por que eu quis! Leia se quiser kkkk!
avatar
ShadyMorte

Mensagens : 172
Data de inscrição : 13/01/2010
Idade : 25
Localização : Cadeira Dura Pacas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Acabou

Mensagem  ShadyMorte em Ter Set 24, 2013 2:20 am

Análise pronta, editada e com imagens, talvez caso eu consiga alguma imagem que eu julgue melhor eu substitua as da análise, mas por hora é isso. Espero que goste:

http://divulgantemorte.blogspot.com.br/2013/09/analisemorte-silent-hill-1-tudo-o-que.html#more
avatar
ShadyMorte

Mensagens : 172
Data de inscrição : 13/01/2010
Idade : 25
Localização : Cadeira Dura Pacas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AnáliseMorte: A história de Silent Hill

Mensagem  D. Criador em Qua Set 25, 2013 4:20 pm

(sem verde novamente devido ao pc)

Eu postei pelo blog aqui, mas vou postar aqui tb.

Gostei da análise, esta bem divertido de ler (até as partes sorbre sua vida lol).

Quero ver os próximos!

_________________
DEMACIAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
Rolling Eyes
avatar
D. Criador

Mensagens : 1285
Data de inscrição : 08/01/2010
Idade : 98
Localização : São Paulo/sp

Ver perfil do usuário http://www.youtube.com/user/BakaNubiJogos/videos

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AnáliseMorte: A história de Silent Hill

Mensagem  ShadyMorte em Qua Set 25, 2013 8:37 pm

Questão de tempo brow... como eu disse, se pelo menos uma pessoa se interessar já me sinto motivado. Um dia, vai que acabo recendo um numero decente de visitas e comentários... sonhos... existem para serem sonhados.

Pode não parecer de grande importância pra muitos... mas pra mim, seria de enorme satisfação.

Ah... deu uma trabalheira mas o que eu ver que da pra melhorar eu melhoro... com o tempo e prática acredito que dominarei a Arte de Blogar kkkk...

Demorei 4 dias pra finalizar essa análise... mas compensou o trabalho. Fiz muitas pesquisas e tentei ser o mais claro possível, sem prejudicar o profundo significado do jogo e sua história. Em um dia eu consegui escrever tudo, e depois eu vi que esse formato seria o melhor. Deu pra deixar bem bonitinho. Também demorei 2 dias pra fazer um bom compilado de imagens... mas acho que se eu tirar um dia inteiro pra fazer tudo isso e dedicar esse mesmo dia somente pra isso... da pra finalizar tudo da forma mais rápida e bem feita possível. Como primeira experiência, achei que fui bem... não sei se isso se aplica a realidade, dai vem a importância dos comentários e visualizações...

Valeu pelo apoio Dimar...
avatar
ShadyMorte

Mensagens : 172
Data de inscrição : 13/01/2010
Idade : 25
Localização : Cadeira Dura Pacas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AnáliseMorte: A história de Silent Hill

Mensagem  *Morpheu.Musico* em Qui Set 26, 2013 12:45 am

cara o blog ta melhorando bastante a escolha da cor das fontes ficou melhor e força menos a vista, a excessao
da cor vermelha evite se possivel XD, mas continue com o trabalho, voce poderia analisar rag, ja q tomou mto tempo das nossas vidas

_________________
Hi este e o forum solidarius postem seus guias, suas dicas e suas duvidas vamos nos comunicar

avatar
*Morpheu.Musico*

Mensagens : 981
Data de inscrição : 22/11/2009
Idade : 31
Localização : Santo André /SP

Ver perfil do usuário http://morpheucultural.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AnáliseMorte: A história de Silent Hill

Mensagem  ShadyMorte em Qui Set 26, 2013 9:44 pm

*Morpheu.Musico* escreveu:cara o blog ta melhorando bastante a escolha da cor das fontes ficou melhor e força menos a vista, a excessao
da cor vermelha evite se possivel XD, mas continue com o trabalho, voce poderia analisar rag, ja q tomou mto tempo das nossas vidas
Vlw Morph, ah... sobre Rag... já to trabalhando numa surpresa sobre Ragnarok Online, pois como você disse "tomou mto tempo das nossas vidas" (e ainda toma da minha, acredite kkk)

http://solidariuscaelestis.forumeiros.com/t738-rp-do-dimar-ilustrada#6280

Ahhhh é... por incrível que pareça... eu fiz descobertas surpreendentes sobre Ragnarok Online... coisas que farão vocês, anciões de Midgard, se apavorararem What a Face ... não tem nada haver com o Dimar blz, mas eu vou escrever somente depois de começar o projeto dele. Pode ser rápido, pode demorar... depende do apoio e motivação. Quanto maior a cobrança, melhor.
avatar
ShadyMorte

Mensagens : 172
Data de inscrição : 13/01/2010
Idade : 25
Localização : Cadeira Dura Pacas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AnáliseMorte: A história de Silent Hill

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum